HPV e Laser

Prof. Dr. Júlio José Máximo deCarvalho.

Especialista em HPV

Tratamento a Laser

Laser Máquina

Aparelho de Laser de CO2

Laser Máquina

Cauterização da Uretra com Laser de CO2

Laser Máquina

Cauterização do Pênis com Laser de CO2

É indicado para lesões de qualquer localização (genitália masculina, feminina, orofaringe, pele em geral, etc). A luz emitida no tecido se transforma em calor que agindo sob as moléculas de água no interior das células, entram em ebulição e explodem liberando calor. Pode ser utilizado tanto para vaporizar as lesões como para a retirada excisional.

Vantagens desse método:

‒Pode-se visualizar a profundidade, prevenir as retrações, e destruição sem necrose do tecido, propiciando uma cicatrização mais anatômica.
‒Por não ter contato com o tecido adquire uma grande vantagem uma vez que se trata de uma doença infectocontagiosa.
‒Melhores resultados nas lesões uretrais e penianas circunferenciais.
‒Útil nos casos de lesões multifocais extensas em que está contra-indicado o uso do eletrocautério.
‒É bactericida.
‒Pode ser utilizado com anestesia local na grande maioria das vezes.

  • Tipos de aparelhos utilizados
  1. Laser de C02

É o mais utilizado. Têm indicação na grande maioria dos casos, porém não pode ser aplicado na uretra mais profunda, uma vez que a uretroscopia é realizada com água e o laser de CO2 é totalmente absorvido por ela, não atingindo os tecidos desejados.

  1. Laser de Diodo

Por ser utilizado com fibra óptica e por não ser absorvido pela água, está indicado nos casos de lesões uretrais mais profundas, além de poder ser utilizado em qualquer outro tipo de lesão externa.

Existem estudos evidenciando a presença de DNA viral no tecido normal das proximidades da lesão cauterizada com laser dessa maneira a possibilidade de recidiva é evidente sendo a taxa de recidiva com laser e eletrocautério semelhantes. Esse índice de recidiva melhora muito quando associamos ao laser terapias que atuem na imunidade individual (taxa de recidiva menor que 10%).

É importante um treinamento adequado do profissional que irá atuar com laser para que possa decidir na escolha do equipamento ideal, além de selecionar a potência e tempo de exposição adequado para cada caso, pois sabemos que a taxa de recidiva e as cicatrizações mais exuberantes estão diretamente relacionada à potência e ao tempo de exposição. Com maior potência temos mais vaporização e pouca carbonização tecidual.

Quando temos lesões com microvascularização o laser pode promover a coagulação desses pequenos vasos. Em determinados casos o feixe pode ser utilizado desfocado auxiliando na hemostasia. Cuidado com vasos mais calibrosos que não serão selados, e nesses casos deve-se associar a eletrocauterização para controle do sangramento.

Apresenta o inconveniente do alto custo do aparelho dificultando sua utilização de uma maneira mais ampla.

A tecnologia do LASER vem sendo utilizada cada vez mais no nosso dia a dia. Lanternas, leitura das caixas registradoras dos supermercados, e etc.Na medicina laser pode ser utilizado em diversas especialidades, para retirar tatuagem, fragmentar cálculos urinários, cirurgia da vista, e também no tratamento do HPV.

Para cada caso precisamos de um equipamento de laser específico.