HPV e o Laser em Odontologia

HPV e o Laser em Odontologia

Introdução

As primeiras pesquisas utilizando o laser em procedimentos odontológicos surgiram na década de 60 com Sognaes, na tentativa de substituir a ponta montada de alta rotação pelo laser de rubi no preparo cavitário. No entanto, foi demonstrado que este comprimento de onda não era ressonante aos tecidos mineralizados do dente causando a sua carbonização. Desde então, o desenvolvimento de novos comprimentos de onda e a evolução destes, disponibilizando sistemas de entrega do feixe que permitem seu uso em contato direto com o tecido alvo, possibilitaram a utilização do laser em um número cada vez maior de procedimentos clínicos. Desta maneira, tanto os lasers de baixa e de alta potência tornaram-se realidade no dia a dia da clínica odontológica.

A resposta tecidual frente ao uso dos lasers depende da interação do comprimento de onda com o tecido alvo, da composição do tecido, quantidade de energia entregue, do tempo de exposição, da metodologia e dos parâmetros de irradiação. Fatores estes, que estabelecem a utilização segura dos lasers, evitando danos adversos, como a carbonização dos tecidos adjacentes.

O laser, em grande parte dos procedimentos clínicos, é utilizado como um coadjuvante, ou seja, como um auxiliar do tratamento convencional, podendo em alguns deles substituí-lo.

Na odontopediatria, o laser de Er:YAG permite o preparo de cavidades para o tratamento da cárie sem o uso de anestésico em 80% dos casos.

Na periodontia, nos procedimentos de remoção de cálculo dental, pode-se utilizar o laser de Er:YAG; na desinfecção de bolsa periodontal e na remoção de pigmentação melânica de mucosa tanto este mesmo laser, como o de diodo e de Nd:YAG podem ser efetivos. Na remoção das manchas melânicas pode-se ainda, utilizar o laser de CO2.

Em procedimentos de cirurgia, na incisão do tecido mole, em frenectomia e ulectomia o laser de Er:YAG e o de diodo podem substituir o bisturi, de maneira efetiva, rápida, promovendo o corte  do tecido e a hemostasia ao mesmo tempo. Estes mesmos comprimentos de onda podem também remover lesões da mucosa bucal, tais como as hiperplasias causadas por próteses mal adaptadas. Para estes procedimentos, pode-se ainda, utilizar o laser de CO2, que é altamente absorvido por tecidos que apresentam água na sua composição.

Na endodontia, para a desinfecção dos condutos contaminados, os lasers de diodo, de Nd:YAG e de Er:YAG podem ser considerados grandes aliados da instrumentação com as substâncias químicas, uma vez que apresentam a capacidade de remover os microrganismos presentes na massa dentinária.

No tratamento das aftas e herpes, os lasers de érbio, neodímio e os diodos (de baixa e de alta potência) são efetivos na prevenção da doença e na desinfecção das lesões instaladas.

A grande vantagem desta tecnologia é sem dúvida a sua capacidade de redução microbiana, por meio da energia térmica produzida nos lasers de alta potência. Os de baixa potência, além da ação analgésica, anti-inflamatória e de biomodulação, quando associados a determinados corantes ativam a liberação de substâncias altamente reagentes que podem eliminar os microrganismos.

Classificação quanto a potência

Laser cirúrgico ou de Alta potência

Os mais utilizados são os Nd:YAG (neodímio), Er:YAG (érbio), CO2 (dióxido de carbono) e os de Diodo. Tem ação de corte nos tecidos dentais, podendo remover cárie dental, preparar a cavidade dentária melhorando a adesividade endtre material restaurador e dente, além de descontaminação do preparo dental. O laser de CO2 apresenta boa capacidade para corte de tecidos moles sendo utilizado em frrenectomia labial e lingual, remoção de saco pericoronário, mucocele, entre outras.

Laser terapêutico ou de Baixa potência

Os lasers de baixa  potência são denominados de terapêuticos, pois, ativam a produção de ATP, auxiliam na multiplicação das fibras de colágeno, estimulam a formação de proteínas e enzimas específicas, além de zuxiliar o sistema linfático. Na odontologia é utilizado para aliviar dores de diversas etiologias tais como dores de origem pupar, nevrálgicas, de teecido mole, pré e pós operatórias (implantes e remoção de dentes inclusos),e,  hipersenibilidade dentinária.  Os  mais utilizados são os de Arseneto de gálio-alumínio e o arseneto de gálio.

Classificação quanto ao tipo de aparelho e indicação clínica.

  1. Nd:YAG (1064nm)

Periodontia

  • Desinfecção de bolsa periodontal
  • Gengivectomia
  • Gengivoplastia
  • Aumento de coroa clínica
  • Remoção de tecido de granulação previamente a moldagem

Cirurgia

  • Incisão de tecido mole
  • Frenotomia
  • Frenectomia
  • Ulotomia
  • Ulectomia
  • Hemostasia (vaporização)

Endodontia

  • Redução microbiana em condutos radiculares contaminados
  • Diminuição da permeabilidade da superfície dentinária do conduto radicular (fusão e resolidificação dentinária)
  • Cirurgias paraendodônticas (desinfecção da cavidade óssea)

Dentística

  • Desinfecção do preparo cavitário previamente a cimnetação de coroas de prótese
  • Remoção de tecidocariado
  • Hipersensibilidade dentinária

Semiologia Bucal

  • Herpes
  • Aftas
  • Remoção de manchas melânicas de mucosa

 

  1. Er:YAG (2940nm)

Periodontia

  • Desinfecção de bolsa periodontal
  • Aumento de coroa clínica
  • Remoção de cálculo dental

Cirurgia

  • Incisão de tecido mole
  • Frenotomia
  • Frenectomia
  • Ulotomia
  • Ulectomia

Endodontia

  • Redução microbiana em condutos radiculares contaminados
  • Remoção da lama dentinária em conduto pós-instrumentação
  • Cirurgias paraendodônticas (corte de tecido mineralizado)

Dentística

  • Preparo cavitário para resina composta
  • Condicionamento dentinário para sistema adesivo
  • Remoção de tecido cariado
  • Hipersensibilidade dentinária

Semiologia Bucal

  • Herpes
  • Aftas

 

  1. CO2 (10600nm)

Cirurgia

  • Incisão de tecido mole

Frenectomia

  • Hemostasia (vaporização)

Dentística

  • Hipersensibilidade dentinária

Semiologia Bucal

  • Remoção de manchas melânicas de mucosa
  • Remoção de lesões da cavidade bucal
  • Remoção de hiperplasias da mucosa

 

  1. DIODOS de alta potência (808 –835 nm)

Periodontia

  • Desinfecção de bolsa periodontal
  • Gengivectomia
  • Gengivoplastia
  • Aumento de coroa clínica
  • Remoção de tecido de granulação previamente a moldagem

Cirurgia

  • Incisão de tecido mole
  • Frenotomia
  • Frenectomia
  • Ulectomia
  • Hemostasia (vaporização)

Endodontia

  • Redução microbiana em condutos radiculares contaminados
  • Cirurgias paraendodônticas (desinfecção da cavidade óssea)

Dentística

  • Desinfecção do preparo cavitário
  • Hipersensibilidade dentinária

Semiologia Bucal

  • Herpes
  • Aftas
  • Remoção de lesões da cavidade bucal
  • Remoção de hiperplasia de mucosa

 

  1. Diiodo de baixa 655nm ( Arseneto de Gálio e Arseneto de gálio e Al – Dianodent-Kavo)

Terapia da ATM

  • Paralisias
  • Pasrestesias
  • Nevralgias

Diagnóstico

  • Diagnóstco de cárie dental

Dentística

  • Hipersensibilidade dentinária
  • Clareamento dental (associado com LED)
  • Pósoperatório de implantes dentários

 

  1. Laser de Argônio 488nm 

Dentística

  • Clareamento dental (associado com LED)